Tuesday, 19 January 2016

a cabine detestável que é preciso amputar





mas dizer que estou fazendo malabarismos já seria uma bela suavização da coisa. são dias e dias lutando bravamente para conseguir estar presente e me levantar e pegar meus dois ônibus para ver minhas muitas aulas e pegar meus três ônibus e voltar para casa, entre trânsitos, fobia e confusão. já abandonei algumas coisas pelo caminho, como sempre abandono algumas coisas pelo caminho, e tive conversas constrangedoramente sinceras com professores que, oi, mandam a gente fazer terapia, porque, né, na aula de didática ninguém ensinou a lidar com aluna surtada chorando e dizendo quero-morrê.

ao fim do dia, salvaram-se todos, e eu fui ler uma notícia onde se falava sobre a cabine destacável de um avião que se auto-fragmenta para salvar as pessoas em caso de acidente quando me peguei lendo cabine detestável - o que deve dizer muito sobre o meu Atual Estado Mental.

de uma forma ou de outra, fica também a descoberta de uma boa metáfora, pois TALVEZ SEJA ESSA a hora em que eu me divido em vários pedaços para o incêndio de um lado não comprometer todos os outros. na pior das hipóteses, vai-se embora uma parte incendiada e as outras se reagrupam, tentando formar um pseudo-avião amputado que ao menos tem condições de voltar - não-tão-são mas salvo - para casa.